Crônica: Felicidade: viagem ou destino?

Crônica: Felicidade: viagem ou destino?

Sempre há um obstáculo; algo a ser ultrapassado; um trabalho a ser realizado...

Sempre há um obstáculo; algo a ser ultrapassado; um trabalho a ser realizado...

Publicada há 5 meses

MINUTINHO

Felicidade: viagem ou destino?

Por muito tempo eu pensei que a minha vida fosse se tornar uma vida de verdade.

Mas sempre havia um obstáculo no caminho, algo a ser ultrapassado antes de começar a viver. Um trabalho não terminado, uma conta a ser paga... Aí sim, a vida de verdade começaria.

Por fim, cheguei à conclusão de que esses obstáculos eram a minha vida de verdade.

Essa perspectiva tem me ajudado a ver que não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho!

Imagem: ilustração

Assim, aproveite todos os momentos que você tem.

E aproveite-os mais se você tem alguém especial para compartilhar, especial o suficiente para passar seu tempo; e lembre-se que o tempo não espera ninguém.

Portanto, pare de esperar até que você termine a faculdade; até que você volte para a faculdade; até que você perca 5 quilos; até que você ganhe 5 quilos; até que você tenha tido filhos; até que seus filhos tenham saído de casa; até que você se case; até que você se divorcie; até sexta à noite; até segunda de manhã; até que você tenha comprado um carro ou uma casa nova; até que seu carro ou sua casa tenham sido pagos; até o próximo verão, outono, inverno; até que você esteja aposentado; até que a sua música toque; até que você tenha terminado seu drink; até que você esteja sóbrio de novo; até que você morra.

E decida que não há hora melhor para ser feliz do que agora mesmo, afinal, a felicidade é uma viagem, não um destino. 



CRÔNICA

Lembrança...

Por: Katharine Hepburn

 “Uma vez, quando eu era adolescente, meu pai e eu estávamos na fila para comprar ingressos para o circo Finalmente, havia apenas uma outra família entre nós e o balcão de passagens. Esta família causou uma grande impressão em mim. Eram oito crianças, todas provavelmente com menos de 12 anos. Pela maneira como se vestiam, dava para ver que não tinham muito dinheiro, mas suas roupas eram arrumadas e limpas. As crianças eram bem comportadas, todas em fila, duas a duas atrás dos pais, de mãos dadas.  

Elas estavam tagarelando excitadamente sobre os palhaços, animais e todos os atos que veriam naquela noite. Pela empolgação deles, você podia sentir que eles nunca haviam ido ao circo antes. Seria um ponto alto de suas vidas.

 O pai e a mãe estavam à frente da matilha, orgulhosos como poderiam estar. A mãe segurava a mão do marido, olhando para ele como se dissesse: “Você é meu cavaleiro de armadura brilhante”. Ele estava sorrindo e gostando de ver sua família feliz.

A bilheteira perguntou ao homem quantos bilhetes ele queria?  

Ele respondeu com orgulho: “Gostaria de comprar oito ingressos para crianças e dois ingressos para adultos, para poder levar minha família ao circo”.  

A senhora do bilhete indicou o preço. A esposa do homem largou sua mão, sua cabeça caiu, os lábios do homem começaram a tremer. Então ele se inclinou um pouco mais perto e perguntou: “Quanto você disse?”     

A senhora do bilhete voltou a indicar o preço.

O homem não tinha dinheiro suficiente. Como ele deveria se virar e dizer a seus oito filhos que não tinha dinheiro suficiente para levá-los ao circo?

Vendo o que estava acontecendo, meu pai enfiou a mão no bolso, tirou uma nota de $ 20 e a jogou no chão. (Não éramos ricos em nenhum sentido da palavra!). Meu pai se abaixou, pegou a nota de $ 20, deu um tapinha no ombro do homem e disse: “Com licença, senhor, isso caiu do seu bolso”.

 O homem entendeu o que estava acontecendo. Ele não estava implorando por uma esmola, mas certamente apreciou a ajuda em uma situação desesperadora, dolorosa e constrangedora.

Ele olhou direto nos olhos do meu pai, pegou a mão dele entre as suas, apertou com força a nota de $ 20 e, com o lábio tremendo e uma lágrima escorrendo pelo rosto, ele respondeu; “Obrigado, obrigado, senhor. Isso realmente significa muito para mim e minha família.”

Meu pai e eu voltamos para o nosso carro e dirigimos para casa. Os $ 20 que ele doou serviriam para comprar nossos próprios ingressos. Embora não tenhamos conseguido ver o circo naquela noite, nós dois sentimos uma alegria dentro de nós muito maior do que ver o circo e o que ele poderia nos proporcionar.

Naquele dia, aprendi o valor de dar. O doador é maior do que o receptor. Se você quer ser grande, maior do que a vida, aprenda a dar”.          

                  

últimas