PANDEMIA

Governo de SP descarta relação de vacina com parada cardíaca em menina

Governo de SP descarta relação de vacina com parada cardíaca em menina

Comitê de especialistas avaliou prontuário de paciente de Lençóis Paulista

Comitê de especialistas avaliou prontuário de paciente de Lençóis Paulista

Publicada há 4 meses

Governo de SP descarta relação de vacina com parada cardíaca em menina

Da Redação/Metrópoles

A parada cardíaca em uma menina de 10 anos, que motivou a suspensão da vacinação na cidade de Lençóis Paulista (SP), não teve qualquer relação com a aplicação do imunizante da Pfizer.

O Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde concluiu nesta quinta-feira (20) a investigação “que descartou o evento adverso pós-vacinação na criança de 10 anos do município de Lençóis Paulista”. E destacou: “Não existe relação causal entre a vacinação e quadro clínico apresentado”.

Em nota, o governo informou que “a análise realizada por mais de 10 especialistas apontou que a criança possuía uma doença congênita rara, desconhecida até então pela família, que desencadeou o quadro clínico”. A análise do especialistas se baseou em exames e nos dados do prontuário da paciente no hospital.

Os especialistas detectaram que a menina tem a síndrome de Wolff-Parkinson-White (WPW), condição congênita que leva o coração a ter crises de taquicardia, que podem ocasionar até mesmo a morte súbita.

Entenda o caso

A menina foi hospitalizada na tarde dessa quarta-feira (19/1), cerca de 12 horas depois de tomar a dose da vacina da Pfizer contra a Covid.

Após o caso de parada cardíaca, a prefeitura de Lençóis Paulista suspendeu a vacinação infantil na cidade.

Em entrevista ao Metrópoles, Anderson Prado, prefeito do município, disse que tomou a decisão por uma questão de segurança e reconheceu que não havia nenhum tipo de relação comprovada entre a aplicação da vacina e a parada cardíaca.

“O que nós fizemos foi uma medida cautelar, de segurança. Não há ainda a comprovação de que há relação entre a vacina e a parada cardíaca. Essa resposta tem que vir de órgãos federais e estaduais”, disse ele, antes do pronunciamento do Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo nesta tarde.

A paciente foi internada em uma UTI de um hospital particular da região e permanece em observação. O estado de saúde da menina é estável.


Fonte: www.metropoles.com

últimas