POLÍTICA

PP, PSDB e MDB apostam alto nas vitórias de Pinato, Carlão e Itamar

PP, PSDB e MDB apostam alto nas vitórias de Pinato, Carlão e Itamar

Recursos são balizados por critérios técnicos e por prováveis sucessos nas urnas

Recursos são balizados por critérios técnicos e por prováveis sucessos nas urnas

Publicada há 4 meses

Uma das mais propagadas frases do alto mercado financeiro, supostamente atribuída ao megainvestidor americano Warrem Buffett, é “Regra número um: nunca perca dinheiro. Regra número dois: não esqueça a regra número um. Regra número três: nunca aposte sabendo que irá perder”.

Pois aparenta que três dos principais partidos nacionais estão colocando suas fichas, em quantidade abundante, em três candidatos do noroeste paulista.

Referimo-nos ao PP que alocou R$ 2,5 milhões do Fundo Partidário na campanha do fernandopolense Fausto Pinato, recandidato a deputado federal; ao MDB que apostou R$ 700 mil na reeleição para deputado estadual de Itamar Borges e do PSDB que aportou R$ 750 mil na recondução do atual presidente da Assembleia Estadual Paulista (Alesp). Juntos - e somatizando todas as formas de obtenção de recursos - eles totalizam mais de R$ 4,1 milhões arrecadados.

E como as lideranças dessas agremiações certamente conhecem as três regras de Buffett – e muitas outras mais -, podem ter certeza que estão munidos de muitos e qualificados dados (inclusive pesquisas eleitorais não publicadas). Os altos valores são diretamente proporcionais às possibilidades de vitórias desses nas urnas em outubro próximo.

Confiram dados dos concorrentes regionais, atualizados até 12h00 de 02/09/2022:

- Itamar Borges (MDB): Total: R$ 870 mil

R$ 700 mil - Fundo Partidário 

R$ 30 mil recursos próprios

R$ 140 mil doações pessoas físicas


- Carlão Pignatari (PSDB): Total: R$ 765,5 mil

R$ 750,5 mil – Fundo Partidário 

R$ 15 mil recursos próprios


- Analice Fernandes (PSDB): Total: R$ 106 mil

R$ 100 mil - Fundo Partidário

R$ 6 mil doações pessoas físicas


- Renato Colombano (PSD), Sargento Pedroso (PL) e Cidinho do Paraíso (PTB): sem prestação de contas.


- Fausto Pinato (PP): Total: R$ 2,5 milhões

R$ 2,5 milhões - Fundo Partidário

R$ 700,00 doações pessoas físicas


- Gilmar Gimenes (PL): Total: R$ 260 mil

R$ 200 mil - Fundo Partidário

R$ 60 mil Recursos Próprios


- Henri Dias (Solidariedade): Total: R$ 102,5 mil

R$ 102,5 mil - Fundo Partidário


- Flávio Sant´Anna (PSB): Total: R$ 45,7 mil

R$ 40 mil - Fundo Partidário

R$ 5 mil doações pessoas físicas

R$ 770,00 Financiamento Coletivo


- Luiz Carlos Motta (PL): Total: R$ 500 mil

R$ 500 mil - Fundo Partidário


- João Dado (PL): Total: 341 mil

R$ 300 mil - Fundo Partidário

R$ 25 mil doações pessoas físicas

R$ 5 mil recursos próprios

R$ 10,6 mil Financiamento Coletivo

*Conteúdo originalmente publicado na Coluna .Inside de sexta-feira, 02

Encomendada pelos grupos Globo e Folha, pesquisa Datafolha divulgada na quinta, 01 (clique aqui para os detalhes) mostra crescimento da possibilidade de realização de 2º Turno na disputa presidencial. 

Não que a vitória do candidato petista na primeira rodada esteja descartada, mas ficou mais difícil com as ascensões das candidaturas de Simone Tebet (MDB), que passou de 2% (em 18 de agosto) para 5% e de Ciro Gomes (PDT) que oscilou dois pontos e atingiu 9%.

Quanto aos líderes, Lula oscilou, dentro da margem de erro, de 47% para 45% e Bolsonaro manteve-se estável com 32% em ambas. A diferença entre ambos é de 13 pontos percentuais. Na pesquisa anterior era de 15%.

A pesquisa ouviu 5.734 pessoas em 285 municípios entre os dias 30 de agosto e 1º de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no TSE sob o número BR-00433/2022.

Soraya Thronicke (União Brasil), Pablo Marçal (PROS) e Felipe d'Avila (NOVO) atingiram 1% e demais concorrente não pontuaram. Branco/nulo/nenhum atingiu 4% (6% na pesquisa anterior) e indecisos 2% (2% em 18 de agosto).

*Conteúdo originalmente publicado na Coluna .Inside de sexta-feira, 02

Encomendada pelos grupos Globo e Folha, pesquisa Datafolha divulgada na quinta, 01 (clique aqui para os detalhes) mostra que os candidatos Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB) travam intenso duelo pela vaga na disputa em 2º Turno contra o petista Fernando Haddad.

O ex-ministro cresceu de 16% para 21%, no comparativo entre pesquisa divulgada em 18 de agosto e a atual, e o governador Rodrigo Garcia (PSDB), que disputa a reeleição, subiu de 11% para 15%. A diferença entre ambos é de 6 pontos percentuais.

A liderança ainda é de Haddad, que oscilou de 38% (na anterior) para 35% da preferência e sua vantagem para o segundo colocado é de 14%. Em 18 de agosto era de 22 pontos.

Foram ouvidas 1.808 pessoas entre os dias 30 de agosto e 1º de setembro em 74 municípios paulistas. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número SP-04954/2022.

Carol Vigliar (Unidade Popular) registrou 2% (2% na pesquisa anterior) e demais concorrentes 1% (cada). Brancos e nulos somam 12% (17% na pesquisa anterior) e indecisos 10% (11% na pesquisa anterior).

*Conteúdo originalmente publicado na Coluna .Inside de quinta-feira, 01

Apesar dos índices nacionais positivos (218,9 mil novos postos de trabalho com Carteira assinada) no mês de julho/2022, na região, Fernandópolis apresentou números decrescentes e Votuporanga ostenta dados ainda piores.

Por aqui, o resultado mensal foi negativo com saldo de sete empregos (resultante de 596 contratações e 603 demissões). Este é o segundo balanço mensal decrescente registrado em 2022, sendo que o saldo total de trabalhadores com Carteira assinada no município é de 16.203 pessoas.

Já em Votuporanga houve o fechamento de 55 vagas formais, fruto de 850 contratações e 950 demissões. É o quarto mês consecutivo (abril, maio, junho e julho) que o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) aponta saldo negativo para a cidade vizinha.

Mas a situação votuporanguense é muito pior que a fernandopolense.

Anualizando os dados, têm-se que em Fernandópolis a resultante ainda é altamente positiva, com geração de 700 novos postos de trabalho em 2022; ao contrário, pelos idos de Votuporanga, a contabilidade aponta para o fechamento de 301 vagas no mesmo período. Lembrando que em anos passados, o município liderava, a nível regional, a geração de empregos. 

POSITIVO

Mas o crescimento nacional foi replicado em outras cidades da região.

Em Santa Fé, apesar de parco (apenas oito), registrou-se salto positivo; em Jales, com 387 admissões e 355 demissões, teve índice positivo de 32 novos postos de trabalho (com número anualizado positivo de 110) e em Rio Preto foram mais 693 vagas em julho (6.478 admissões e 5.785 desligamentos). Aqui, a taxa de 2022 já chegou a 4.533 novas vagas.

Visita de Tarcísio

Polêmica desde a divulgação da agenda, a visita do candidato bolsonarista a região no último final de semana (pulando Fernandópolis), se não chegou a empolgar com multidões a recepciona-lo em Votuporanga, Jales e Santa Fé, também distou, e muito, do fracasso apregoado em vários órgãos de imprensa. Principalmente na cidade das ‘Brisas Suaves’ registrou-se boa participação de apoiadores.

Rumo: em Jales inauguração; em Ferpa frustração

O novo viaduto sobre a linha férrea na altura da Rua Arujá, ligando os bairros Jardim Paulista e Jardim São Gabriel foi oficialmente entregue pelo governo municipal do prefeito Luis Henrique (PSDB) e pela empresa férrea Rumo na quarta-feira, 31. A obra custou R$ 7 milhões, custeados pela concessionária e resolve um problema de tráfego que persistia por décadas. Enquanto isso, em Fernandópolis, as duas prometidas alças de acessos não saíram das pranchetas.

últimas